segunda-feira, 4 de outubro de 2010

"Todos nos enriquecemos e nos completamos Mutuamente..."

TRILHA DA VIDA

LET'S TAKE CARE OF THE PLANET CONFERENCE

CUIDEMOS EL PLANETA

SENTINDO-SE COMO PARTE DA NATUREZA

PENSANDO E AGINDO... LOCAL E GLOBAL

TRABALHO JUNTO AOS JOVENS DE ESCOLAS PUBLICAS
"VIVEMOS EM TEMPOS DE CRISE COLETIVA QUE NOS OBRIGA A TOMAR DECISÕES DE VIDA OU DE MORTE"
                                                                                             Leonardo Boff.

PRODUÇÃO DE VIDEOS DOCUMENTÁRIOS JUNTO A COMUNIDADES.


_________________________________________________________________________________________________________


O que fica por provar os jovens?
neste mundo de paciência e asco?
É apenas graffiti? "Rock? "O ceticismo?
Também lhes fica não dizer amém
não deixar que lhes matem o amor
recuperar o discurso e a utopia
ser jovem sem pressa e com memória
situarse em uma história que é a sua
não convertidos em velhos prematuros
O que fica para provar os jovens?

O que fica por provar os jovens
neste mundo de rotina e ruína?
Cocaína? "A cerveja? "Hooligans?
lhes fica respirar ou abrir os olhos
descobrir as raízes do terror
inventar paz assim é difícil
entender-se com a natureza
e com a chuva e os raios
e com o sentimento e com a morte
Isso é louco para atar e desatar


O que fica por provar os jovens?
neste mundo de consumo e fumo?
"Vertigo? "Assaltos? "discotecas?
Eu também fico discutindo muito com Deus
se existe ou  não existe
Mãos que Ajudam a construir / abrir portas
entre o próprio coração e o exterior /
sobre tudo lhes fica fazer o futuro
apesar das ruínas do passado
e os sabios estudiosos do presente.


¿Qué les queda por probar a los jóvenes
en este mundo de paciencia y asco?
¿sólo grafitti? ¿rock? ¿escepticismo?
también les queda no decir amén
no dejar que les maten el amor
recuperar el habla y la utopía
ser jóvenes sin prisa y con memoria
situarse en una historia que es la suya
no convertirse en viejos prematuros
¿qué les queda por probar a los jóvenes
¿qué les queda por probar a los jóvenes
en este mundo de rutina y ruina?
¿cocaína? ¿cerveza? ¿barras bravas?
les queda respirar / abrir los ojos
descubrir las raíces del horror
inventar paz así sea a ponchazos
entenderse con la naturaleza
y con la lluvia y los relámpagos
y con el sentimiento y con la muerte
esa loca de atar y desatar
¿qué les queda por probar a los jóvenes
en este mundo de consumo y humo?
¿vértigo? ¿asaltos? ¿discotecas?
también les queda discutir con dios
tanto si existe como si no existe
tender manos que ayudan / abrir puertas
entre el corazón propio y el ajeno /
sobre todo les queda hacer futuro
a pesar de los ruines de pasado
y los sabios granujas del presente.





O caminho para Samarra
Um soldado da antiga Bassora, na Mesopotânia, cheio de medo, foi ao rei e lhe disse:"Meu Senhor, salva-me, ajuda-me a fugir daqui; estava na praça do mercado e encontrei a Morte vestida toda de preto que me mirou com um olhar mortal; empresta-me seu cavalo real para que possa correr depressa para Samarra que fica longe daqui; temo por minha vida se ficar na cidade". O rei fez-lhe a vontade. Mais tarde o rei encontrou a Morte na rua e lhe disse:" O meu soldado estava apavorado; contou-me que te encontrou e que tu o olhavas de forma estranhíssima". "Oh não", respondeu a Morte, "o meu olhar era apenas de estupefação, pois me perguntava como esse homem iria chegar a Samarra que fica tão longe daqui, porque o esperava esta noite lá".
Essa estória é uma parábola da aceleração do crescimento feito à custa da devastação da natureza e da exclusão das grandes maiorias. Ele nos está levando para Samarra. Em outras palavras: temos poquíssimo tempo à disposição para entender o caos no sistema-Terra e tomar as medidas necessárias antes que ela desencadeie consequências irreversíveis. Já sabemos que não podemos mais evitar o aquecimento global, apenas impedir que seja catastrófico. A nivel dos governos, não se está fazendo nada de realmente significativo que responda à gravidade do desafio. Muitos crêem na capacidade mágica da tecno-ciência: no momento decisivo ela seria capaz de sustar os efeitos destrutivos. Mas a coisa não é bem assim. Há danos que uma vez ocorridos produzem um efeito-avalanche.
A natureza no campo físico-químico e mesmo as doenças humanas nos servem de exemplo. Uma vez desencadeada, não se pode mais bloquear uma esplosão nuclear. Rompidos os diques de Nova Orleães nos USA, não é mais possível frear a invasão do mar. Na maioria das doenças humanas ocorre a mesma lógica. O abuso de alcool e de fumo, o excesso na alimentação e a vida sedentária começam a princípio prudizindo efeitos sem maior signficação. Mas o organismo lentamente vai acumulando modificações, primeiramente funcionais, depois orgânicas e, por fim, atingindo certo patamar, surge uma doença não mais reversível.
É o que está ocorrendo com a Terra. A "colonia" humana em relação ao organismo-Terra está se comportando como um grupo de células que, num dado momento, começa a se replicar caoticamente, a invadir os tecidos circundantes, a produzir substâncias tóxicas que acaba por envenenar todo o organismo. Nós fizemos isso, ocupando 83% do planeta. O sistema econômico e produtivo se desenvolveu já há três séculos sem tomar em conta sua compatibilidade com o sistema ecológico. Hoje nos damos conta de que ecologia e modo industrialista de produção que implica o saque desertificante da natureza são contraditórios. Ou mudamos ou chegaremos à a Samarra, onde nos espera algo sinistro.
A Terra como um todo é a fronteira. Ela coloca em crise os atuais modos de produção que sacrificam o capital natural e as formações sociais construídas sobre o consumismo, o desperdício, o mau trato dos rejeitos e a exclusão social. Três problemas básicos nos afligem: a alimentação que inclui a água potável, as fontes de energia e a superpopulação. Para cada um destes problemas não temos soluções globais à vista. E o tempo do relógio corrre contra nós. Agora é o momento de crise coletiva que nos obriga a pensar, a madurar e a tomar decisões de vida ou de morte.

Leornardo Boff.

Nenhum comentário:

Postar um comentário